Notícias

14/09/2015 - Santander
Juíza manda Santander indenizar demitida por texto contra Dilma
por Feeb-PR

Juíza manda Santander indenizar demitida por texto contra Dilma
A Justiça do Trabalho em São Paulo condenou o banco Santander a pagar R$ 450 mil de indenização por danos morais a Sinara Polycarpo Figueiredo, ex-superintendente de investimentos.

Por meio de nota, o Santander disse que "o caso está sub judice" e que já apresentou recurso contra a decisão.

Sinara foi demitida depois que o banco enviou um relatório aos clientes de alta renda, no período das eleições, dizendo que se a presidente Dilma Rousseff (PT) fosse reeleita, poderia piorar a economia do Brasil. A profissional era responsável pela área que enviou esse comunicado.

O caso foi divulgado inicialmente pelo colunista do UOL Fernando Rodrigues, em 25 de julho. No mesmo dia, o banco publicou um pedido de desculpas em sua página na internet e disse que o texto "feriu diretriz interna".

A polêmica foi ganhando peso. Em 28 de julho, Dilma chamou a carta do Santander de "lamentável" e "inadmissível"; o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva disse que quem escreveu o texto "não entende porra nenhuma de Brasil" e sugeriu: "Pode mandar embora e dar o bônus dela pra mim, que eu sei como é que eu falo".

No dia seguinte, o presidente do banco informou que a funcionária tinha sido demitida. "Enviamos uma carta à presidente. A pessoa tinha que ser demitida porque fez coisa errada", disse Emilio Botín.

Discriminação política X oportunismo Na ação judicial, a ex-funcionária disse que não foi ela que escreveu o texto, mas sim uma das analistas do setor que chefiava. Ela afirmou que sua dispensa foi por "nítido ato de discriminação política" e "causou-lhe grandes tormentas", porque o banco "expôs seu nome de forma indevida e, com isso, deteriorou sua imagem pessoal e profissional".

Em sua defesa, o banco acusou a ex-funcionária de "oportunismo" e afirmou que a demissão não foi por motivo político, mas jurídico, segundo a sentença.

Segundo a decisão da Justiça do Trabalho, apesar de Sinara ter sido demitida sem justa causa, o banco expôs de forma indevida e abusiva a imagem da funcionária.

Na ação, a Juíza Lúcia Toledo Rodrigues diz que a ex-funcionária "apenas relatou circunstâncias fáticas da conjuntura econômica do país", cumprindo seu dever, que "era informar os clientes a respeito das minúcias que influenciam o mercado financeiro e afetam diretamente o resultado dos seus investimentos".

Além disso, afirma que o banco foi "submisso às forças políticas ao demitir" a empregada.

Decisão cita Lula Na ação, é citada a fala do ex-presidente Lula.

"Isso demonstra que antes mesmo de comunicar a autora da demissão e formalizar o respectivo ato o Banco já buscou reparar o 'deslize' com o partido político, pedindo desculpas e anunciando as demissões, assim como arbitrária e grosseiramente solicitado pelo sr. Luis Inácio Lula da Silva", afirma na sentença. (Fonte: UOL)

  • Rua Barão de Monte Alto, 70, sl. 307, Centro, 36880-000 Muriaé / MG
  • (32) 3722-3336 / (32) 3722-3734
© 2015 SEEB Muriaé - Todos os direitos reservados