Notícias

25/08/2015 - Santander
Santander terá que pagar R$ 600 mil a ex-gerente vítima de sequestro
por Feeb-PR

Santander terá que pagar R$ 600 mil a ex-gerente vítima de sequestro
O banco Santander foi condenado a pagar R$ 600 mil a um ex-gerente, por danos morais, por ele ter sido sequestrado quanto retornada para casa após um dia de trabalho. O bancário foi levado para casa em Belo Horizonte e permaneceu, junto de seus familiares, mais de 12 horas em poder dos criminosos.

A Justiça entendeu que a situação pela qual o trabalhador passou, se deu devido a atividade que ele exercia. "Eles que estão na linha de frente, responsáveis por cuidar de quantias significativas em dinheiro, alvo de ação criminosa", registrou o desembargador relator, Paulo Roberto de Castro.

Uma perícia vinculou o transtorno psiquiátrico constatado no empregado com o sequestro, tortura e risco de vida. Ele foi diagnosticado com "Alterações Permanentes de Personalidade Após Experiência Catastrófica".

O banco não adotava medidas capazes de garantir a segurança no trabalho, segundo a sentença. A decisão destacou o artigo 4º da Lei 7.102/83, segundo o qual "é vedado o funcionamento de qualquer estabelecimento financeiro onde haja guarda de valores ou movimentação de numerário, que não possua sistema de segurança com parecer favorável à sua aprovação, elaborado pelo Ministério da Justiça, na forma desta Lei". E assim, O magistrado ressaltou também que não houve prova de que o funcionário tenha sido treinado para lidar com situações como a ocorrida.

Foi lembrando pelo documento que o Estado tem responsabilidade pela segurança pública e prevenção de assaltos, no entanto, ficou também esclarecido que o reclamado deveria ter se preocupado com a segurança dos seus empregados. "Como não o fez, expondo-os a risco desnecessário, deve ser responsabilizado".

O valor de R$600 mil fixado em 1º Grau para a indenização foi considerado razoável, com base em diversos critérios. Dentre eles, o fato de a lesão ter sido grave e o reclamado ser uma das maiores instituições financeiras do país. Também foram levados em consideração o valor do último salário recebido pelo reclamante, o tempo de contrato de trabalho e a idade dele (37 anos, na data da decisão). (Fonte: Hoje em Dia com TRT/MG)

  • Rua Barão de Monte Alto, 70, sl. 307, Centro, 36880-000 Muriaé / MG
  • (32) 3722-3336 / (32) 3722-3734
© 2015 SEEB Muriaé - Todos os direitos reservados